ParaCrianças

Quando se inicia o processo terapêutico com uma criança, realiza-se uma primeira avaliação que geralmente é feita ao longo de 5 consultas, sendo a primeira apenas com os pais/encarregados de educação.

O acompanhamento terapêutico de crianças é desenvolvido sobretudo através de jogos e trabalhos mais ou menos dirigidos, nos quais procuramos proporcionar à criança, um espaço de expressão livre das suas fantasias e sentimentos, a partir dos quais emerge, quase como consequência espontânea, o conflito latente.

A intervenção e participação dos pais e a parceria/confiança que se estabelece entre pais/criança/terapeuta são fundamentais para o sucesso do processo terapêutico.
Os pais são atendidos sempre que estes, a criança ou o terapeuta considerem necessário.

Especialmente dedicada ao atendimento de crianças com Perturbação de Hiperactividade e Défice de Atenção, um distúrbio muito comum nos dias que correm, mas que infelizmente tem sido indevidamente diagnosticado a muitas crianças e jovens, com claro abuso na prescrição de psicofármacos, dos quais são desconhecidos os efeitos secundários de médio e longo prazo.


“A fantasia é o meu campo de acção e a expressão afectiva o meu guia terapêutico.
Ambos conduzem sempre à possibilidade da criança exprimir em palavras,
aquilo que antes não tinha nome nem lugar.”
Violet Oaklander